quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Veneno anti-monotonia.

Não quero passar por ruas e sentir tanto mofo. Mas eis que sentir tantas coisas ao lado de alguém que há de valer a pena, pode parecer permitido. Torno permitido. E não despermito.  Mofo pode ser bem além de fungos e bactérias entre zilhões de coisas, zilhões de coisas que o permitem entrar. 
Não quero passar por ruas e sentir tanto mofo. Mas eis que sentir tantas coisas ao lado de alguém que vale a pena, parece permitido. Tornei permitido. Não despermito. Mofo pode ser extremamente além de azedume,  monotonia contínua, olheiras no rosto e noites mal-dormidas.
Não quero passar por ruas que me envolvem e sentir mofo. Eis que sentir coisas ao lado de alguém há de valer à pena, é permitido. Muitos o tornam. Jamais permitirei que seja despermitido. Mofo pode ser bem mais do que lixo-na-cuca, uísques quentes que descem queimando e dois maços de cigarro consumidos por dia.
Quero passar por ruas descuidadas e infamiliares e sentir mofo. Eis que sentir coisas é permitido. Me permito. E jamais despermito o que antes tratei como válido. Mofo é não sentir-se e notar-se só ao meio de chuvas e esgotos transbordando.
Quero passar por ruas familiares, ou não, e sentir. Sentir coisas ao lado de alguém, um certo alguém, é permitidíssimo. Ou não. Me permito. Sou alguém. Me sinto. Não despermito. Jamais ei de. Mofo pode ser algo que deixei para trás ao descobrir ruas novas, onde não chove, onde não há cassambas de lixos entupidas deles. Onde há uma loja, em uma certa rua. Nesta loja, encontrei-me. Veneno-anti-monotonia-amém. Encontrado. Jamais ei de ser ninguém. Jamais despermitirei-me de vagar por ruas devido à podridão nelas presente. Mofos não me atingem mais.




Eduardda Carvalho

Um comentário:

Rhaissa Ramon disse...

CASSETE, Eduardda! A-m-e-i TANTO esse texto seu. Do fundo da alma, do coração e da mente, gostei de todas as maneiras possíveis, de todas as palavras, com todo meu "gostar". Tô chocada com o quão bem tu tens escrito, de verdade, me impressiona em todo texto.